Cesta de Animes #3 – Melhores Animes das Temporadas de Verão e Outono 2014

Fala galera, venho aqui deixar um post breve das minhas impressões sobre a temporada atual de animes e a temporada passada. Esse post vai ser curto pois ainda pretendo trazer um post em breve categorizando os melhores animes do ano na minha opinião. Vai ter anime que não vão aparecer aqui como Fate ou Mushishi (ambos os animes tem uma animação boa) pois eu não estou me sinto a vontade para analisá-los por não ter assistido temporadas anteriores mas como aqui terá apenas minhas opiniões pessoais não terá problema, vamos ao post.

postsummerfallcover

SKU (1) SKU (2) AnY (1) AnY (2)

Ending de Shigatsu wa Kimi no Uso (KimiUso):

Ending de Akatsuki no Yona:

Para começar, o anime Shigatsu wa Kimi no Uso é o anime que estou assistindo que eu estou mais gostando. É muito raro eu assistir um primeiro episódio de um anime e ser conquistado logo de cara. As razões para este anime ter conseguido fazer isso foi a ótima musica, a animação boa e os personagens carismáticos que já mostravam de início para que veio. A premissa de tornar a música clássica acessível e a recuperação de alguém que não consegue tocar para mim foi incrível, além do início de um ótimo romance sendo apresentado. Recomendo que assistam esse anime no fansub Aenianos por lá está com uma ótima qualidade. De resto, os destaques vão para Akatsuki no Yona, um shoujo histórico adaptado para anime pelo estúdio Pierrot que está me surpreendendo pois eu não esperava algo bom desse estúdio que costuma fazer animações medianas e embora o anime não esteja mostrando uma animação absurda, vem tendo um BGM bem satisfatório e lutas simples mas bem elaboradas, respeitando o mangá original. Como eu leio o mangá de Akatsuki no Yona, falo que a grande evolução da protagonista principal é o destaque da obra, pois mostra como uma princesa frágil clichê de shoujo que não era capaz de fazer nada sozinha se torna praticamente uma Robin Hood de saias. A música da ending de Akatsuki no Yona é ótima, só fica atrás de Shigatsu wa Kimi no Uso e Hanayamata, que comentarei mais a frente.

ZnT (1) ZnT (2) SnB (1) SnB (2) SSW SSW2

Opening de Shingeki no Bahamut:

Em relação a qualidade de animação, venho destacar o estúdio MAPPA, constituído de ex-integrantes do estúdio Madhouse que chegaram ao mercado de animes trazendo uma proposta de animes com produção praticamente hollywoodiana e uma animação absurda, a citar, Zankyou no Terror e Shingeki no Bahamut: Genesis. O problema desses animes é que Zankyou no Terror teve alguns deslizes no meio do caminho por culpa de uma personagem mal-aproveitada e mesmo com o final bom não foi possível recuperar o leite derramado. Já Shingeki no Bahamut (o nome já diz tudo) é como se fosse um Piratas do Caribe versão fantasia medieval, o anime apresenta uma das melhores openings do ano mas é o típico anime pipoca, não espere nada além de entretenimento. Um anime que eu venho acompanhando apenas pela animação é Selector Spread WIXOSS, que é a continuação de Selector Infected WIXOSS. O anime vem apresentando várias coisas ruins e algumas coisas boas. De ruim, o anime tem mostrado algumas personagens totalmente desinteressantes e vazias como a Akira e aquela irritante Chiyori. De bom, venho destacar a animação inesperadamente boa feita pelo estúdio J. C. Staff que costuma fazer animações medianas tecnicamente. Outra coisa boa também é o conceito de desejos concedido pelas LRIGs que na minha opinião é a melhor trabalhada que já vi em animes (melhor até que Madoka e Hoshi no Samidare).

Parasyte (1) Parasyte (2) p-p2 (1) p-p2 (2)

Opening de Psycho-Pass 2 com várias mensagens subliminares:

Outro mangá adaptado para anime que está recebendo bastante audiência é Parasyte (Kiseijuu). O mangá é um clássico do início dos anos 90 com uma história com elementos de horror, thriller, drama e romance, embora eu tenha reclamações com o último. O anime está sendo razoável até aqui, o problema que ele aparenta estar correndo muito rápido com a história e eu não estou gostando muito pois eles deixaram o personagem principal mais patético do que era no mangá com os diálogos piorados. E a BGM do anime não tá lá essas coisas também. Mas pelo menos a animação está satisfatória e eles tem um roteiro que irá segurar a barra, basta eles não cagarem tanto, já que é uma staff novata. Outra surpresa que tive com esse anime é o fato da dubladora famosa Aya Hirano estar fazendo a voz do Migi, a voz que ela está fazendo para o personagem combina bem. Comentando outros animes originais, venho dizer que a segunda temporada de Psycho-Pass está me convencendo mais que a primeira pois o enredo está indo direto ao ponto e a trama está muito mais intrincada. Para quem quiser acompanhar, estou fazendo comentários quinzenais desse anime no blog parceiro Ecchi Must Die. O anime também está seguindo um ritmo imprevisível e com várias mensagens subliminares na abertura, bom para uma continuação que irá ter apenas onze episódios. O anime está sendo feito pela Tatsunoko Productions, ao contrário da primeira temporada feita pela Production I.G.

shirobako (1) shirobako (2) SnM (1) SnM (2)

Ending Sora no Method:

Comentando de dois animes slice-of-life SHIROBAKO e Sora no Method, o primeiro trata do cotidiano conturbado de um estúdio de anime. Eu tinha o temor desse anime focar nas personagens moe ou no anime barato que eles estavam fazendo, mas SHIROBAKO acabou me surpreendendo pois tá mostrando de forma realista os prazos apertados dos produtores de anime e mostra que nem tudo são flores nesse ramo, um dos episódios que gostei mais foi o cinco que mostra a história do diretor gordo mongol que começou a fazer um anime bom e depois passou a fazer caca e foi achincalhado pela crítica e pelo público. É um anime com dois cours que vou continuar acompanhando embora eu não esteja gostando muito da parte técnica do filme. Sora no Method está sendo feito pelo estúdio 3Hz (pelo traço eu achava que estava sendo feito pela P. A. Works) e de início eu achei que iriam ser sessões de crescimento de grama mas o anime acabou me surpreendendo por mostrar uma qualidade boa na animação e na trilha sonora e também por adicionar elementos de mistério e drama que de certa forma estão funcionando, diferente de Glasslip que é apenas ver a tinta secar. O único respaldo que tenho a respeito desse anime é em relação a duas personagens no anime que são chatas e agem de forma infantil, é necessário que o anime faça elas terem uma evolução na obra que compense isso. O anime também tem uma das melhores endings da temporada e esse fator vai ser lembrado no top de animes do ano que sairá aqui em breve.

NnT (1) NnT (2) NnT (3) NnT (4)

O mangá Nanatsu no Taizai está recebendo adaptação para anime, o mangá é publicado na Shounen Magazine e basicamente é um battle shounen despretensioso de fantasia medieval, ele não tem uma grande história mas tem personagens carismáticos e lutas boas, além da animação competente da A-1 Pictures que provavelmente irei colocar como o melhor estúdio do ano (para mim está no mesmo nível de mangás como Toriko – nos seus melhores momentos e One Piece). O personagem que mais gosto nessa obra é o Ban, ele é o cara mais estiloso/badass e tem boas sacadas.

Temporada Summer 2014

A.Z (1) A.Z (2) A.Z (3) ZnT (3) ZnT (4) ZnT (5)

Essa temporada vai ser lembrada por lançar animes que tinham uma expectativa muito alta e não cumpriram ou simplesmente decepcionaram. Também vai ser lembrada por animes que não receberam um tostão furado nas suas estreias e surpreenderam. Começando com os animes que não cumpriram suas expectativas, venho citar Aldnoah.(Nota)Zero e Zankyou no Terror. O primeiro foi uma decepção total. Um anime tinha uma premissa interessante e apresentava um enredo rico que tinha um grande potencial de crescimento. O diretor e o roteirista acabaram tomando várias decisões equivocadas da metade para o final do anime em relação ao enredo e o desenvolvimento dos personagens e o final foi completamente desprovido de lógica e coerência, com um plot-twist bem babaca que cagou o anime e o comprometeu o enredo independente de como será a segunda temporada. Como esse é um post curto, irei fazer uma review futuramente desse anime e talvez faça comentários semanais mais detalhados do que acho da série já que a próxima temporada vai ter a segunda temporada. Agora Zankyou no Terror foi uma série boa no final, mas o que decepciona é que poderia ter sido muito melhor. A animação na minha opinião é a minha favorita do ano (embora muitos achem melhor Shingeki no Bahamut) e por mais que os personagens não tenham sido tão desenvolvidos assim, a mensagem foi passada de uma forma satisfatória. O problema desse anime é devido a uma personagem (Five) que ocupou bastante tempo do anime, deu a entender que teria uma grande importância na série e no final se revelou uma personagem perdida jogada no lixo. Esse anime também receberá uma review futuramente.

Barakamon (4) Barakamon (3) GSN (2) GSN (1) Hanayamata (1) Hanayamata (2)

Ending de Hanayamata:

Ending de Barakamon:

Indo para as surpresas, venho citar Barakamon, Gekkan Shoujo Nozaki-kun e Hanayamata. Eu recomendo os três animes, Barakamon é um slice-of-life que tem a simpatia de sua protagonista (Naru) como destaque e é um anime agradável,engraçado e relaxante que fala sobre o amadurecimento e a descoberta de novos horizontes do protagonista que é um artista da caligrafia japonesa. O anime também tem uma das melhores endings do ano. Gekkan Shoujo Nozaki-kun também foi uma grata surpresa, um anime que ninguém dava nada se revelou o melhor anime de comédia do ano pois tem uma premissa genial aonde todos os clichês comuns de shoujo são zoados e aplicados como seriam em um mundo real. O anime também zoa com os bastidores da produção de mangás. O terceiro, Hanayamata é um anime moe (é muito difícil uma obra desse tipo me agradar) que surpreendeu pois tem uma animação ótima, tem uma boa evolução de personagens e tem a melhor ending da temporada. A premissa do anime é bem simples, embora os primeiros episódios não sejam lá essas coisas por causa de uma personagem principal que se revela ser muito irritante, ela tem uma boa evolução e passa a ser uma boa personagem e esse tipo de evolução é algo que prezo muito em qualquer obra que leio. O final desse anime também é bom, acaba dando a sensação que o anime cumpriu o que prometia, mostrando que o objetivo daquelas garotas não eram mostrar uma dança técnica e com um figurino requintado como os outros grupos profissionais de yosakoi. O objetivo delas era surpreender o público dentro de suas limitações. Esse é um tropo comum em bons filmes de dança como o “Vem Dançar”, como Antônio Bandeiras. Eu gosto muito de obras com dança como tema principal e Hanayamata é do tipo de obra que gosto. Mas o melhor anime dessa temporada para mim é Gekkan Shoujo Nozaki-kun seguido de Barakamon e Zankyou no Terror.

AHR (1) AHR (2)

Falando agora de um anime que foi subestimado por muitos como se fosse apenas mais um, Aoharaido (ou Ao Haru Ride) foi um anime que deu a impressão de um shoujo padrão com todos os clichês mais recorrentes possíveis (a garota que tem dificuldade de revelar seus sentimentos,o “príncipe encantado mais popular do colégio por algum motivo”, a amiga séria, etc). O que eu não esperava é que dentro dos padrões esse anime quebra também clichês de shoujo e faz as coisas se desenrolarem de uma forma bem mais realista e plausível. O garoto embora tenha uma aparência de herói de shoujo (especialmente no início, eu não gostei muito ao ver ele mais novo pois aparentava ser muito afeminado) não é o garoto mais popular do colégio, tem uma personalidade inicialmente difícil por não ter papas na língua e é ate meio vagabundo, tira nota baixa e coisa e tal. A interação da Futaba com suas outras amigas foi muito legal de se ver, foi uma das raras vezes em que um triângulo amoroso foi formado em um anime e não me incomodou pois as personagens tiveram a decência de manter uma comunicação aberta e manter tudo em pratos limpos. As duas se esforçariam para conquistar o garoto principal e se uma conseguisse a outra não teria ressentimentos da que conseguiu, adicionando a hipótese do garoto não querer nenhuma das duas. Essa forma madura de conduzir relacionamentos no colegial fez essa obra ganhar pontos comigo, além da animação aquarelada bonita e boa soundtrack. Existe mais um triângulo amoroso na obra envolvendo um professor  apresentado no final que eu vou querer acompanhar em uma próxima temporada. Assim, esse anime mostra que mesmo pegando como base uma temática shoujo padrão é possível fazer obras boas.

h-x-h-148b-1 h-x-h-148b-3 h-x-h-148c-1 h-x-h-148c-9 Haikyuu (1) Haikyuu (2) BS (6) BS (5)

Em relação a animes longos que ultrapassaram temporadas e terminaram nessa, Hunter x Hunter (2011) foi o melhor anime que já assisti. Recomendo altamente esse anime tanto pela ótima animação dirigida pelo Koujina (diretor de Rainbow) como pelo enredo. O mangá tem o calcanhar de Aquiles da arte ruim, mas esse problema é resolvido pelo anime cuja animação inova colocando pela primeira vez teoria de cores (de séries como Breaking Bad) em um anime. No site parceiro Ecchi Must Die dá para acessar meus comentários semanais do melhor arco da série, a das Formigas Quimera, nesse ponto mesmo a obra sendo shounen o anime se torna mais sério que muitos seinens, com muitos questionamentos existenciais e críticas à sociedade e a raça humana. Outro anime muito bom que recomendo e também conserta o problema de um mangá que tem a arte ruim é Haikyuu. Embora seja tão usado como material para fujoshis como Kuroko e tenha um grande público feminino, o mangá trata do voleibol de uma forma séria e respeita o esporte. Todos os personagens do clube de vôlei da Karasuno são desenvolvidos até mesmo os reservas e o mangá não coloca eles como sendo os melhores que ganham uma após outra, eles ainda têm muito a evoluir. Com certeza eu irei acompanhar a segunda temporada que já está garantida por causa do grande sucesso da série. Baby Steps também foi outro anime que gostei, embora ele seja diferente dos outros animes e mangás de esporte por retratar o tênis que é individual e focar em um personagem só, o Maruo. Muita gente reclama do mangá falando que os personagens são rasos e as partidas são chatas, mas eu discordo por as partidas são realistas, diferente de Prince of Tennis aonde a bola sai pegando fogo. Tem até uma matéria sobre tênis que li recentemente que mostra qual é o segredo que diferencia os grandes tenistas e a resposta era algo que já sabia por ter visto Baby Steps, vou até deixar o link abaixo. Falando dos personagens, acho que não são rasos, apenas o desenvolvimento deles que é mais lento. O desenvolvimento é focado na evolução dos personagens no esporte e a forma que eles definem o seu futuro com isso. Pode ser que alguns personagens secundários sejam rasos, mas os principais não. Até o romance que é algo bem secundário é desenvolvido no seu ritmo sem ficar algo irrealista.

Space Dandy (1) Space Dandy (2)

Terminando esse post com o anime que na minha opinião teve o melhor final do ano, Space Dandy foi um anime que dividiu opiniões por ter começado inicialmente como um anime de comédia e depois passou a jogar a comédia para escanteio para ser um anime mais experimental tanto na animação como na história. Mas o que dá destaque para essa obra principalmente na sua segunda temporada foi a grande melhora que ele teve do meio para o final e o episódio final foi excelente, foi o melhor final que a obra poderia ter tido, faz você pensar que valeu a pena acompanhar a série completa. O anime explorou muito bem a habilidade do Dandy de surfar entre as linhas temporais, mesmo com tudo que aconteceu de bizarro na série o final justificou tudo que aconteceu. A animação e a OST estiveram ótimas até o final, as lutas foram muito tensas e os plot-twists foram bem inesperados e interessantes. Eu recomendo Space Dandy não por ser uma série inteiramente boa, pois tem alguns episódios que não são lá essas coisas, mas sim pois é uma experiência diferente que irá acrescentar muito para quem gosta do mundo de animações e animes em geral tanto pela parte técnica como pelos conceitos de vários episódios. Os episódios marcantes para mim além do episódio final foi o primeiro da segunda temporada, que trata dos vários Dandys de várias dimensões temporais que acabam se encontrando, o sétimo aonde o Dandy forma uma banda com seu amigo Johnny, que também é general de um grande império interestelar e os três episódios antes do final.

Revista Tênis: Antecipe-se e vença (a respeito de Baby Steps).
SPACE CHANTEY (Música do episódio final do anime):

Dandy in love (Música do episódio 10):

Assim, termino o meu post rápido sobre as minhas impressões das temporadas Summer e Fall desse ano. Esse ano teve muito anime bom desde 2011 pena que o ano que vem não parece ser tão bom como foi esse ano, baseando no que vi nas charts de animes da temporada que vem. Sendo assim, comentem o que vocês mais gostaram desse ano em relação a animes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s